Correio dos Campos

Prefeitura realizará pagamento dos produtores rurais na próxima semana

8 de Maio de 2020 às 16:27
(Divulgação/PMPG)

IMPRENSA/Ponta Grossa – A Prefeitura de Ponta Grossa informa que na próxima sexta-feira (15) depositará na conta bancária da Associação de Hortifrutigranjeiros o valor referente à compra de quase 10 toneladas de alimentos para a Fundação de Assistência Social de Ponta Grossa (FASPG). Os insumos foram comprados dos feirantes do município no dia 21 de março pela administração pública municipal e serviram para abastecer entidades beneficentes e famílias em situação de vulnerabilidade social da cidade.

A ideia de comprar os alimentos da feira do produtor surgiu após o prefeito decretar o fechamento de parte do comércio e também a suspensão da feira do produtor, como forma de prevenção ao novo coronavírus. O decreto foi emitido na sexta-feira (20), um dia antes da feira que seria realizada tradicionalmente na Benjamin Constant. Como os feirantes já haviam se preparado para a comercialização dos produtos no sábado, a Prefeitura decidiu comprar os alimentos que seriam vendidos para evitar que os agricultores saíssem no prejuízo.

“Os produtores rurais do município foram impactados diretamente com a pandemia na nossa cidade. A prefeitura se sensibilizou e encontrou a alternativa de comprar os alimentos que seriam vendidos naquele momento, garantindo, assim, apoio econômico aos agricultores e alimentos de qualidade à população que mais precisa, através da entrega dos produtos para a FASPG”, destaca o prefeito Marcelo Rangel.

O pagamento dos alimentos comprados será feito em parcela única. De acordo com o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Bruno Costa, os produtores que venderam os insumos deverão retirar o dinheiro referente a venda diretamente com a Associação de Hortifrutigranjeiros, já que o depósito do Poder Executivo será feito em uma única conta para que possa ser distribuído posteriormente.

“A decisão foi acertada de comprar esses insumos pois conseguimos garantir que os produtores não perdessem o que tinham colhido. Agradeço a compreensão de todos e a colaboração dos que se comprometeram em vender os alimentos. Não podíamos deixar que fossem prejudicados”, ressalta Bruno.