Correio dos Campos

Professor ganha carro em rifa e o devolve para ajudar família que fez sorteio, em Marmeleiro

'Ainda temos anjos na terra, que estão aqui para ajudar', disse família que rifou veículo para pagar exames dos filhos com deficiência física e mental; carro era usado para levar crianças à Apae.
8 de Maio de 2020 às 09:14
Professor contou para a família que tinha feito uma promessa de devolver o carro se fosse sorteado, em Marmeleiro — Foto: Airton Rama/Arquivo pessoal

O professor de educação física Airton Neri Rama surpreendeu moradores de Marmeleiro, no sudoeste do Paraná, com uma atitude de solidariedade. Ele ganhou um carro com uma rifa, mas devolveu o veículo para ajudar a família quando recebeu o prêmio.

O carro tinha sido rifado pelo casal Claci da Rosa Gomes e Antônio Lessir. A ação foi feita para arrecadar dinheiro para fazer exames médicos dos filhos Renan Gabriel, de 6 anos, e Natan Renan, de 15 anos, que têm deficiência física e mental.

“Eu não tenho palavras para agradecer, foi muito emocionante e a gente não esperava. O carro era dele, mas como uma pessoa humilde e humana ele nos devolveu. Ainda temos anjos na terra, que estão aqui para nos ajudar”, revelou a mãe.

Rama contou para a família, quando foi entregar as chaves, que tinha feito uma promessa de devolver o veículo se fosse sorteado.

“Acho que fiz um ato simples e vejo que esse ato está comovendo muitas pessoas que estão ajudando essa família que tanto necessita”, disse o professor.

Segundo a mãe, as vendas das rifas tinham sido prejudicadas em meio à pandemia do novo coronavírus. Mesmo assim, ela disse que não reclamou, pois foi nesse momento que encontrou esperança.

A rifa

Os exames de genética, conforme a mãe, são para tentar diagnosticar o que os filhos têm e dar início ao tratamento adequado para os dois.

Eles aguardam pelos exames desde 2016 pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Com o dinheiro da rifa, a família poderia fazer o procedimento o quanto antes, em uma clínica particular.

De acordo com Claci, os exames custam em média R$ 12 mil para os dois filhos. Com a rifa do Voyage, de 1994, foi possível arrecadar R$ 8 mil.

“Era o nosso meio de transporte, para o meu marido trabalhar e levar as crianças para a Apae, mas era mais importante fazer o exame, porque a prioridade são as crianças, então decidimos rifar”, contou a mãe sobre a ideia do sorteio.

A família contou que tentou vender o carro, mas não conseguiu nenhuma oferta com pagamento à vista.

As vendas das rifas começaram em janeiro, nas redes sociais da família e pela cidade, e o sorteio foi feito no dia 30 de abril.

“A gente vê muitas famílias e muitas crianças necessitadas, então quando Deus dá essa oportunidade, da gente fazer alguma coisa a mais, a gente faz”, disse o professor.

Fonte: G1