Correio dos Campos

Policial é agredido por comerciantes após pedir uso de máscaras em loja de SP

Caso foi registrado como lesão corporal e infração de medida sanitária preventiva, já que uso de máscara é obrigatório na cidade de Registro, no interior de São Paulo.
6 de Maio de 2020 às 08:37
Loja em Registro (SP) tem placa com orientação para clientes utilizarem máscaras ao entrarem no local — Foto: Arquivo Pessoal

Um policial civil de 55 anos foi agredido por comerciantes após pedir para que os funcionários utilizassem máscara de proteção dentro de um estabelecimento em Registro, no interior de São Paulo. Ao cobrar o uso do equipamento, os proprietários o xingaram, e um dos funcionários bateu no rosto do agente. As informações foram divulgadas na manhã desta quarta-feira (6).

Ao G1, o policial, que preferiu não se identificar, contou que mora em Juquiá, cidade que também fica na região do Vale do Ribeira, mas foi até Registro para realizar alguns exames médicos. O agente relata que aproveitou que já estava na cidade para comprar uma peça para a casa, e parou em frente à loja onde os fatos aconteceram.

No local, uma placa indicava a obrigatoriedade de utilizar máscaras na loja, mas ele explica que os próprios funcionários não usavam. “Eles tinham, mas estava no queixo, não cobria nada e não protegia as pessoas na loja”, explica o policial. Ao ver que a medida de segurança não era seguida no local, ele cobrou o uso e foi confrontado por um funcionário.

Após explicar que a medida era necessária, um dos funcionários começou a xingar o policial, que decidiu tirar fotos com o celular para registrar o momento. “Ele começou a falar ‘vai tomar…’, ‘filho da…’, e foi atrás de mim. Fomos para a calçada da loja nesse momento, e um deles desferiu um golpe no meu rosto”, alega o policial.

“Para mim, foi a situação mais degradante pela qual já passei. Eu queria a minha proteção, a proteção deles e dos demais. Por cobrar que eles tivessem essa preocupação, fui agredido”, alega o policial.

Após a briga, a Polícia Civil da região foi acionada pela vítima e os envolvidos foram encaminhados para a Delegacia Sede de Registro. De acordo com o boletim de ocorrência, um dos suspeitos disse que todos os funcionários da loja estavam de máscara, enquanto o outro confessou que não utilizava o equipamento de proteção. O caso foi registrado como lesão corporal e infração de medida sanitária preventiva, já que o uso de máscara é obrigatório na cidade.

O G1 entrou em contato por telefone com o comércio, e um dos funcionários alegou que não houve confusão dentro do estabelecimento, apenas um “enfrentamento, bate boca”. Ele ainda afirmou que a confusão começou após o policial tirar o celular para fazer fotos, e que não sabia da profissão do cliente com quem tinha discutido.

A reportagem também procurou a administração municipal, que, por nota, informou que o delegado de polícia acionou a Vigilância Sanitária Municipal, que compareceu ao distrito policial e esclareceu que não poderia lavrar o auto de infração porque isso só pode ser feito quando é flagrante.

A Prefeitura de Registro explica que a autuação sanitária por descumprimento do Decreto Municipal nº 2.884/2020, que determina a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção facial para responsáveis e empregados de estabelecimentos comerciais em virtude da pandemia da Covid-19, deve ser feita em flagrante. A administração ainda orienta que moradores liguem para o número 3828-4200 para fazer denúncias.

Fonte: G1