Correio dos Campos

Coronavírus: Cidade sueca usa cocô de galinha para conter disseminação da Covid-19

País de 10,2 milhões de habitantes tem tido um número de infectados e mortos pela covid-19 bem maior que seus vizinhos nórdicos
5 de Maio de 2020 às 11:31
Uma máquina espalha fezes de galinha nos gramados de parque, em uma tentativa de evitar aglomerações Foto: BBC News Brasil

A cidade sueca de Lund espalhou fezes de galinha nos gramados de seu principal parque, em uma tentativa de evitar aglomerações – e assim conter o avanço do novo coronavírus.

Em tempos normais, Lund atrairia dezenas de milhares de visitantes em sua festa anual de Santa Valburga, tradicionalmente comemorada em países escandinavos.

Neste ano, porém, autoridades locais quiseram evitar festividades por conta da pandemia.

“Lund pode muito bem virar um epicentro de avanço do coronavírus”, disse, ainda em abril, Gustav Lundblad, presidente do comitê ambiental local.

Com as fezes de galinha nos gramados, “temos a chance de fertilizar a grama e ao mesmo tempo deixá-la fedida, de modo que não seja agradável sentar-se ali para tomar uma cerveja”, agregou.

A Suécia tem tido uma abordagem incomum — e também polêmica – no enfrentamento da pandemia. Ao contrário da maior parte da Europa e da Escandinávia, o país não impôs um “lockdown” severo e manteve a maioria das escolas, bares, restaurantes e comércios abertos, embora tenha pedido que as pessoas evitassem aglomerações e mantivessem o distanciamento social.

O país de 10,2 milhões de habitantes tem tido um número de infectados (22,3 mil, segundo a OMS em 4 de maio) e mortos pela covid-19 (2,6 mil) bem maior que seus vizinhos nórdicos — a Dinamarca, com população de 5,8 milhões, registrou até agora 9,5 mil casos e 484 óbitos.

Fonte: Revista Época